terça-feira, 23 de novembro de 2010


Se aprendi alguma coisa na televisão, é que, quando se aposta no público, oferecendo-lhe obras novas, supostamente complexas, mas que falam essa tal língua universal, o público está lá sempre. Sempre. Não está lá instantaneamente; a televisão comercial quer sempre medir instantaneamente a presença dos espectadores em frente ao écrã, e isso não é possível. Mas precisamente através de uma programação podemos construir um público.

Thierry Garrel, em entrevista ao Ípsilon

A Petição, essa, já 2286 pessoas a assinaram. Seja a próxima.

Nenhum comentário: